História de um buscador

O buscador - Jorge Bucay

Esta é a história de um homem que eu definiria como buscador.

Um buscador é alguém que busca, não necessariamente alguém que encontra. Tampouco é alguém que sabe o que está buscando. É simplesmente alguém em que sua vida é uma busca. 

Um dia, o buscador sentiu que devia ir até a cidade de Kammir. Ele aprendeu a dar importância para estas sensações que vinham de um lugar desconhecido de si mesmo. Assim deixou tudo e partiu. 

Depois de dois dias de caminhada por caminhos poeirentos, ao longe avistou, Kammir. Um pouco antes de chegar ao povoado, uma colina à direita do caminho chamou muito a atenção. Estava coberta por um verde maravilhoso e havia uma porção de árvores, pássaros e flores encantadoras; rodeada por completo por uma espécie de vala pequena de madeira lustrada. 

Uma portinhola de bronze o convidava a entrar. Logo, sentiu que esquecera o povoado e sucumbiu à tentação de descansar por um momento naquele lugar. O buscador traspassou o portal e começou a caminhar lentamente entre as pedras brancas que estavam distribuídas como que por acaso, entre as árvores. Deixou que seus olhos pousassem como borboletas em cada detalhe daquele paraíso colorido. Seus olhos eram os de um buscador, e talvez por isso, reparou, sobre uma das pedras, a seguinte inscrição: 

Abedul Tareg, viveu 8 anos, 6 meses, 2 semanas e 3 dias. 

Surpreendeu-se um pouco ao perceber que essa pedra não era simplesmente uma pedra, mas uma lápide. Sentiu pena ao pensar que uma criança de idade tão curta estava enterrada naquele lugar. Olhando a seu redor, o homem percebeu que a pedra ao lado também tinha uma inscrição. Aproximou-se para ler, dizia: 

Yamir Kalib, viveu 5 anos, 8 meses e 3 semanas. 

O buscador sentiu-se terrivelmente comovido. Aquele belo lugar era um cemitério e cada pedra, uma tumba. Uma por uma, começou a ler as lápides. Todas tinham inscrições similares: um nome e o tempo de vida exato do falecido. Mas o que gerou maior espanto foi ver que o que viveu mais tempo mal passara dos 11 anos… Tomado por uma dor terrível sentou-se e começou a chorar. 

O cuidador do cemitério passava por ali e se aproximou. Observou ele chorar por um tempo em silêncio e depois perguntou se chorava por algum familiar. 

Não, nenhum familiar, disse o buscador. O que acontece com este povoado? Que coisa terrível há nesta cidade? Por que tantas crianças mortas enterradas neste lugar? Qual é a horrível maldição que pesa sobre esta gente que obrigou a construir um cemitério de crianças?

O ancião sorriu e disse: -O senhor pode se acalmar. Não há tal maldição. Acontece que aqui tínhamos um velho costume. Vou lhe contar. Quando um jovem cumpre quinze anos seus pais lhe presenteiam com uma caderneta, como esta que tenho aqui, pendurada no pescoço. É uma tradição entre nós que, a partir deste momento, cada vez que desfrutamos intensamente de algo, abrimos a caderneta e anotamos nela: na esquerda o que foi desfrutado, e na direita, quanto tempo durou o desfrute.

Conheceu a sua namorada e se apaixonou por ela. Quanto tempo durou essa paixão enorme e o prazer de conhecê-la? Uma semana? Duas? Três semanas e meia? E depois, a emoção do primeiro beijo, o prazer maravilhoso do primeiro beijo, quanto durou? Um minuto e meio de beijo? Dois dias? Uma semana? E a gravidez ou nascimento do primeiro filho? E o casamento dos amigos? E a viagem mais desejada? E o encontro com o irmão que voltou de um país distante? Quanto tempo durou o desfrutar dessas situações? Horas? Dias?

Assim vamos anotando na caderneta cada momento que desfrutamos... cada momento. 

Quando alguém morre, é nosso costume, abrir sua caderneta e somar o tempo desfrutado, para escrever em sua tumba, porque esse é para nós, o único e verdadeiro tempo vivido.


Por Jorge Bucay, psicoterapeuta argentino.
História de um buscador História de um buscador Revisado by Trilhando Autonomia em 12:47:00 Avaliação: 5
Tecnologia do Blogger.